quarta-feira, 28 de julho de 2010

E S C A B R I A D A

Dei um tempinho de viver... Coloquei tudo assim em stand by...
Estou dormente!!!
Anestesiada... Xilocaína pura!
Nada mais me incomoda! Nem o que costumava me irritar me abala... a calça que não fecha mais, o transito caótico, um cliente neurótico, o jornal marrom, novela de mau tom, brigas de família, cólicas e dores de barriga... Tudo me passa assim... Nem posso dizer que não esteja feliz!
Parei foi de amar sôfrega de falta de ar... parei de tomar porre! Nunca mais um banho gelado ou um amigo tarado para me assustar! Nenhum suspiro nem espirro escandaloso! Nenhum ventinho maldoso na rua, pra me deixar nua me obrigando a qualquer reação... Simplesmente nada e não!
Pessoas supersticiosas me dizem que é pra não bocejar tanto que pode ser encosto, mas quando dou por mim já estou aqui... de bocona aberta pronta e tonta a espera de um susto, sugando para dentro com força o mundo que tento diariamente ignorar!
Não sei nem mais a musica que quero escutar, por vezes finjo que estou muito ocupada ou que esqueci de ligar o som, que sempre foi meu melhor e escandaloso amigo, outras vezes me pego horas analisando meus CDs sem nenhum estalo, nenhuma vontade de gritar, cantar alto ou chorar emocionada. Procuro sem sucesso a trilha sonora desse pedaço tão oco da minha vida...
Sigo lendo len-ta-men-te o ultimo livro que ganhei... não consigo passar do segundo capítulo, e quando sigo adiante, paro e repito, reflito nessa ultima lembrança de amor... pois depois ela vai pro fatídico inicio... coisas velhas e empoeiradas bem guardadas no fundo de um pequeno baú!VUDÚ!!!!
(título gentilmente oferecido por Iury)

11 comentários:

  1. Aline, sempre colocando muito bem o que te escorre pelos poros... Gosto muito de te ler.

    Um beijo.

    ResponderEliminar
  2. Obrigada querida!por isso também que amo tanto as escritas..Me aliviam a pele... saltam dos poros!
    Beijo!

    ResponderEliminar
  3. Aline,
    Este texto "confessional" ficou simplesmente belo. É de se ler, calar e parar para refletir. É quase uma óstia mundana. Lindo. Adorei.
    Beijo enorme,

    Ivan Bueno
    blog: Empirismo Vernacular
    www.eng-ivanbueno.blogspot.com

    ResponderEliminar
  4. Ivan,
    Lindo foi esse comentário...
    Obrigada por enriquecer sempre o que eu falo... é um grande privilégio meu te ter como leitor!
    Beeeeeeeijo!

    ResponderEliminar
  5. Marcio,
    Pode ter certeza que o prazer é meu!!!
    Bem vindo sempre!!!!

    ResponderEliminar
  6. Só pra agradecer o comentário lá no InterTextual.
    Até breve.

    ResponderEliminar
  7. No caso da princesa do desenho, culpamos a
    Malévola. Lembra da bruxa que a fez tocar no fuso
    de uma roca ?
    Não fez muita diferença... foi um breve descanso.
    Logo o principe a fez despertar.
    Um descanso, às vezes, faz um bem danado. Pode
    acreditar.. !

    grande beijooo princesa Aline

    ResponderEliminar
  8. Verdade minha linda...
    O duro é acreditar no tal do principe nos dias de hoje....kkkkkkkk
    Tem erro não! Já estou me espreguiçando.... Só mais cinco minutinhos....rsrsrsrs
    beeeeeeijo!

    ResponderEliminar
  9. Amiga, vou participar deste banzo com vc e por isso aí vai a trilha sonora, cante comigo:

    "Deixe me ir, preciso andar, vou por aí, algum lugar, rir pra não chorar ......... QUERO NASCER, QUERO VIVER."

    Te amo.
    Beijosssssssssssss.

    Letícia

    ResponderEliminar
  10. Adoooooro...
    'Quero assistir ao sol nascer.. ver as águas do rio correr... ouvir os pássaros cantar...Vou por aí a procurrar sorrir pra não chorar...'
    E qdo tudo esta mais ou menos ainda temos Cartola...Não é o máximo?
    Te amo!
    Beijo MAIOR!!!

    ResponderEliminar