segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Cadê eu???


O mais difícil nisso de se perder é justamente quando alguém pergunta em tom corriqueiro:
Qual a sua graça?...
Vontade de responder:
Não sei... fugiu 'anteontem' bem cedinho!...

(Inspirado em texto do blog: Bicho de Sete Cabeças- Eugênia Fraietta que segue abaixo)

"Visita
venho aqui só suplicar por um pouco de mim
o mínimo pra responder quando perguntarem meu nome"


terça-feira, 21 de dezembro de 2010

O Encontro

Um esbarrão...
E o acaso te trouxe de volta!
O cheiro fresco da loção de barba
O hálito ácido
A pele cor de canela
Os dentes imperfeitamente perfilados!

Um hiato e...
Lembrei onde estávamos:
Casando mil vezes
Colocando nomes nos nossos filhos
Viajando pelo mundo
Primeiro a europa!
Ilhas gregas, Itália, Portugal
E ainda teve Bali...
Ah....a Indonésia!

De repente...
Éramos nós e novamente:
Nossas mãos sendo medidas
Eu levantando os cabelos
Pedindo para que me sopre a nuca
Implorando por uma mordida

Um segundo de distração
E estávamos juntos...
Nos banhos de chuva morna
Nos beijos perfeitamente ritmados
No compasso da nossa fome
Pressa de quem ama!
Saudade de você
Saudade da nossa cama...

Saudade de mim
Que me perdi de destino certo
E fui ao encontro de outra eu
Porque aquela não quis ir
Aquela de mim ficou com aquele de você
E os dois ainda dançam
Quando nossos olhos se juntam
E te digo em silêncio:
Eu me lembro!

Hoje eu sei...
Nunca mais volto pra casa!
Menina tonta...
Pronta?
Criou asas!

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

"ENTÃO É NATAL"...


- Filha ajuda aqui a mãe escolher!
- O que mãaaae?
- Jesus!
- Hãaaan?
- Qual Jesus é mais bonitinho? O do presépio lá de casa quebrou... E esse ano já falei pro seu pai controlar os pestinhas da irmã dele! Nunca ouvi falar que presépio é coisa pra brincadeira! Deve até ser pecado brincar com essas coisas. Anda filha, qual Jesus te agrada mais?
- Ai... Jesus é tudo igual mãe. Peladinho, manjedoura e carinha avoada... Pega um Jesus básico que não tem erro!
- Será? Olha esse aqui, ta com muita cara de sofrimento!
- É mesmo, coitado... alguém já deve ter contado como é que ele acaba!
- Hosana, minha filha!!!
- Que mãe? Acaba com a Luisa, da tia Betinha, chupando sua cabeça enquanto mata Maria de pancada na mesinha de centro da sala! (longo suspiro da mãe) Ta bom, desculpa.... tava brincando, e as pessoas só contam pra ele do sofrimento mesmo na Páscoa, sossega!
- Esse ano não vou deixar o presépio na mesinha da sala, vou colocar lá no alto! Ninguém vai ter acesso ao meu Jesus! Esse aqui tá mais alegrinho não tá?
- Carinha alegre não pode! Acaba desmoralizando...
- Tem razão! Já que vai ser inacessível vou pegar esse aqui mais caro, com manjedoura estilizada!
- Manjedoura o quê? (gargalhada)
- Estilizada, o que é que tem?
- Nada, to só aqui imaginando José, um meterossexual decorando o estábulo, e dizendo, Maria querida: "Pári ainda não, que falta estilizar a manjedoura!"
- Que isso menina? Ta doida(fazendo o credo)? Desrespeitando assim a sagrada família! Deus vai te castigar! E olha pra essa manjedoura, ela não é linda?
- É sim, linda! Ótimo! Escolha perfeita! Vamos embora agora, que estou mais preocupada com minha calcinha de reveillon!
- Credo! Tem hora que nem parece que foi criada por mim! Onde é que está seu espírito cristão? Mas, já vamos, escolhi. Vai ser esse aqui mais chique, e esse ano ninguém chega perto do meu Jesus! Vendedora por favor...
- Hum…Parabéns! Ótima escolha, senhora! Manjedoura estilizada! Vejo que a senhora da muito valor ao Natal!
- É, dou sim! Para mim, ao contrário dessa juventude (olhar sarcástico para filha), o natal é a festa mais bonita do ano! Afinal é o nascimento de Cristo!
- Concordo plenamente... Pode embrulhar?
- Claro! O Jesus lá de casa vai ser lindo, o melhor, e ninguém chega perto!
- Parabéns pelo espírito natalino! É Débito ou Crédito?
- Para ter o melhor Jesus? Só pode ser crédito, querida! Por favor.

Esse diálogo foi inspirado em um dos textos do blog Minutos Inconstantes, da minha querida amiga Shirlei Romano, transcrito logo abaixo:

"Final de ano! A época da perigrinação do
s fiéis aos templos sagrados de consumo.Em transe o rebanho se expreme por entre os corredores iluminados , venerando vitrines divinas, em busca do momento onde o sonho se torna real...Aquele momento onde aquele que intermedia o sagrado e o profano diz:

- Crédito ou débito?"

sábado, 27 de novembro de 2010

Sugestão


Quanto tempo perde?
Quanto tempo lavando teu umbigo?
Tempo é coisa preciosa.
Não que tenha haver comigo!
Talvez comigo em tigo,
ou contigo...
Mas deveria ao menos se questionar.
Acaso...não seria o caso?
De passar mais tempo limpando teus belos ouvidos?

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Teoria Copernicana


Hoje acordei mau comida e tomei um café assim mau dormido...
Ando confusa, me desvirando do avesso toda hora, levando susto de queda, de medo, de morrer e de morrer de rir. De vez enquando, me apoio em alguma coisa porque o mundo parece estar se movendo diferente, mais rápido, e anda me faltando corrimão. O pior é que não dá mesmo para saber se estou descendo ou subindo.
Minha vida tem sido como uma tela de Van Gogh, cheia de riscos rápidos e nervosos, me tirando a respiração, e tudo só faz algum sentido quando recuo exausta e sofrêga de falta de ar e falta de chão.
Não sei se é minha translação ou rotação que estão meio fora de órbita, torta!
Sei que as coisas começaram a cair da estante empoeirada do meu quarto. No começo eu até corria de um lado para o outro, amparando , reparanto e segurando o que dava, mas agora cansei! Quase não me culpo mais, o que cai no meu colo analiso e vejo se tem reparo, serventia, ou qualquer tipo de valia até daquele tipo que não se avalia! Mas tem coisa que só jogando fora, ou dando feito esmola!
Falar que o mundo da voltas já é batido, frase de recalcado que anda rápido nessa imensa roldana imaginária para ver se na próxima volta fica por cima. O negócio é que o universo é coisa grande, sem cima e sem baixo e o mundo não tem lado, é todinho redondo, ou seria eclíptico?...

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Planando

Eu nunca soube me direcionar...
Não sei onde fica o norte,
Nunca vi ou enxerguei o sul.
Devo ter vindo com bússola quebrada de fábrica,
Desorientada de inicio e exausta...
Vontade de fim!

Caminho a ermo...
Prefiro não mecher nos meus fantasmas
Que, de tão inofensivos, são mudos.
Não assombram!
As vezes, por descuido
Os flagro de relance
No cantinho do meu olho esquerdo
Além do espelho.

Nos encontramos...
Embaraço!
Não nos bolinamos mais!
Dou as costas!

Sigo o meu sul ou meu norte,
Ninguém vai notar...
Fico bem no meio!

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Sequela

Hoje acordei com uma dor danada no tornozelo!
Chorei de dor!
Tudo por causa de um ligamento, entre a canela e o calcanhar, que com muito sofrimento veio a arrebentar!
Romper é coisa séria...
Assim me disse o médico, que me aconselhou como um amigo. E ao avisar do perigo, disse que eu não poderia me esforçar e que nas noites de inverno o machucado ia formigar, mas o tempo amenizava!
Apaziguava!
E não é que foi assim mesmo... médico é pessoa sábia a quem se deve ouvir.
Pobre de mim que não pude pressentir o que vinha pela frente, a canela e o corpo dormentes!Mergulhados na dor!
E quando achei que tinha me curado, me precipitei, sai toda festeira dançando e pulando, não aguentei.
Então:
Aiaiaiaia...!!!!
Senti o tal do formigamento! Ainda estava lá e latente o tal do rompimento!
E o tornozelo ainda formiga e me castiga quase como um aviso: você não devia ter rompido!
Mas acontece que rompi, ou rompeu-se sozinho porque nessas coisas de tornozelo é difícil saber como é que se deu o rompimento.
Hoje dormi chorando de tornozelo!
Maldito ligamento... rompimento!

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Assombração

Essa é uma história corriqueira, de qualquer uma dessas assombrações que atravessamos por aí, ou que nos atravessam sem mesmo nos darmos conta.
E foi de tão comum que essa fantasma, me chamou atenção. Além do fato, confesso, de sentir por muitas vezes a espinha gelar da nuca até o calcanhar, quando me sinto observada por quem se esconde nas frestas de nossas casas quando estão desalinhadas.
Seu nome, foi o único presente de sua ausente mãe, que logo depois do registro a abandonou com a avó paterna: Setembrina, que sempre se questionava se a genitora o fizera de propósito, como um mimo para que de certa forma fosse lembrada.
Ela era chamada de Dona Setembrina, e sempre foi Dona, desde bem pequenininha. Era Dona até para a avó que a criou chamando por Dona ou Doninha, no diminutivo não por carinho mas por ironia.
E apesar de todo significado de sua (des)graça, Dona Setembrina, nunca suportou a primavera. Achava os dias claros demais, as pessoas indecentemente coloridas e o mais insuportável e que nada amenizava o sol quente e o azul abusado do céu. É bem verdade também que nunca apreciou as chuvas fortes ou as tempestades escandalosas. Ela gostava mesmo era de neblina!
Adorava se esconder entre fumaça de som quando mais jovem nas festas... Achava a coisa mais linda a pintura que se formava no céu quando o dia amanhecia nublado, envolto em nuvem densa. E por isso, fumava uma carteira e meia de cigarro por dia, gostava de produzir fumaça, pela beleza, pelo ambiente e esse era seu único prazer, mesmo assim, a Dona nunca sorriu!E foi dessa forma, escondida, que Setembrina resolveu levar a vida, sempre na beirinha vivendo na margem fina do mundo.
Escolheu uma vida de meio. Se achava meio feia, meio tímida, meio burra, meio parada e até meio preguiçosa! Se esquivava dos raios de sol e de tudo que pudesse de alguma forma toca-la. Logo cedo antes de ir para o trabalho, que detestava e mantinha há quinze anos, ela treinava várias caretas no espelho. Descobriu que com um semblante bem carregado e sons que lembrassem um resmungo, conseguia afastar as pessoas e seus pedido indecentes de auxílio já que era secretária e não empregada pessoal de ninguém.
Mesmo com todo seu esforço, Setembrina não escapou de arranjar um namorado, mas tomou cuidado e nunca se apaixonou. Detestava beijo de língua porque sentia engolir a saliva do companheiro lentamente... O que sempre lhe causou náuseas. O namorado não se importava e até parou com os beijos após flagrar a parceira com ânsias. Estavam juntos porque desacreditavam nas mesmas coisas e tinham as mesmas despretensões da vida!Sentiam, de alguma maneira torta, que era melhor serem sozinhos juntos do que sozinhos separados. De vez em quando, ensaiavam um sexo limpo, no escuro e em noites de domingos frescas porque não suportavam suor.
Em um episódio curioso, digo curioso porque não era costume que as pessoas olhassem diretamente para Setembrina, mas certa vez, uma colega notou que a secretária emagrecia a olhos vistos e rapidamente, então se preocupou. Perguntou em tom amigável se estava tudo bem, mas a Doninha ao soltar um de seus resmungos emendou com uma careta:
- Se emagreci? Não notei! Detesto espelhos!
Depois disso os dias passaram iguais, meses e anos no mesmo ritmo, o tempo não se incomodou com a magreza de Setembrina, com seus cigarros ou com as caretas e suspiros fundos. Até que em um desses dias comuns, nem azul, nem cinza, Dona Setembrina simplesmente desapareceu. Não deixou rastro, poeira ou fumacinha que a denunciasse!
Os otimistas suspeitam que foi depois de uma névoa que apareceu cedinho na cidade, a hipótese é de que ela teria emagrecido tanto que saiu a pairar na densidade sorrindo pela primeira vez!
Outros, mais realistas, ditam um final dramático para nossa despretensiosa protagonista, dizem que de tão magra ela foi sugada por uma dessas frestas de alguma casinha desalinhada e de migalhas ainda vive, porque se acostumou a elas durante toda sua não existência.
O fato é que nunca mais se teve notícias de Dona Setembrina e seu namorado ainda a espera todos os domingos, sentado no sofá mofado da sala com um olho no céu, através da janela embaçada pelo tempo, e outro nas tais frestinhas... Quando sente um ventinho gelado se arrepia e faz o nome do pai.

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Amputação

Espero que nem todas as aspirinas do mundo
Sejam capazes de amenizar a dor
Do vazio que agora sinto!
E não minto quando digo que quero
O sincero sofrimento
Vou viver esse momento
Tão nosso...
Que parece somente meu!

Me esforço para guardar
Sua ultima imagem
Não quero que se apaguem
Nossos beijos de amor
Não assim sem força!
Não sem dor!
Não seria justo com nossa história
Que simplesmente te removesse da memoria...

Hoje estou optando pela angústia!
Não quero consolação
Amolação aparente que tente me colocar para cima...
Não vou beber nem um trago,
Vou estar sóbria quando te vir saindo
Perverso e lindo dos meus planos

Quero gastar nosso amor até a última gota,
Nem cheiro ou leve rastro vai sobrar...
Espero ao menos estar viva
Quando finalmente conseguir te matar!

sábado, 2 de outubro de 2010

Quando a alma se molha










Água lava mágoa
Leva dor
Confunde lágrima
Derrama frescor
Escorre eu
Eu inteira...
Água e sal
Ralo abaixo!

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Para NÃO falar de política!

Eu que sempre tive essa natureza meio vermelha, e de ter sempre me interessado pela política, esse ano afirmei decidida: NESSAS ELEIÇÕES NÃO VOU DISCUTIR POLITICA COM NINGUÉM!
Resisti bravamente a todos os comentários superficiais e atrasados postados no twitter por jovens amigos de 180 anos. Não respondi a nenhum e-mail preconceituoso, machista, tendencioso, enviado por quem se deixa transformar em massa de manobra. Também ignorei por completo as discussões, muito pouco acaloradas, de botecos e corredores da empresa, bem... quase por completo, porque ninguém é de ferro! O importante é que me mantive discreta, respeitando e considerando as opiniões, enfim DEMOCRATIZANDO além dos meus limites!
E ouso dizer que, ainda não me abalei! Isso aqui não é nem de longe um manifesto político... E que fique bem claro!
E foi justamente essa falta de discussões e interesse e entusiasmo, que me instigaram a escrever esse texto. Que democracia é essa onde se discutir ficou fora de moda e cansativo? Que política é essa feita apenas de marqueteiros e publicitários? O que fica no ar é que quem tem carisma, eloqüência, dinheiro, e um bom clareamento dental já esta a alguns passos de ser um legítimo representante do nosso país. Aquela política envolvente, que trazia as pessoas para dentro, era formadora de opiniões e angariava cúmplices e parceiros além de eleitores... Essa já era!
Ontem, estourei pipoca, me reuni com minhas irmãs e sentei empolgada para assistir ao debate entre os candidatos a presidência da republica do Brasil. O que acabou se tornando uma triste e enfadonha decepção. Depois do segundo bloco já me sentia espectadora de um ‘entusiasmado’ jogo de golfe! E fora alguns discursos de um candidato, que acabou revelando uma saúde mental no mínimo abalada (e aqui não pretendo citar nomes ou me posicionar) e fora algumas reações ensaiadas com a platéia que estava em sintonia perfeita com o sonoro em bem dito “por-favor” de Willian Bonner. O fato é que o repórter em si, acabou sendo a grande e única sensação da noite com seu terno azul marinho e seus cabelos sedutoramente grisalhos.
E antes do meu quinto bocejo, já sentia falta daquele programa de quinta (qualquer trocadilho é mera coincidência), onde a gente assiste as pessoas comerem ratos, baratas e afins.
Faltou, e anda faltando na política, entusiasmo, vontade e raça... Faltou coragem, ou vontade de se molhar... Sobrou "democracia" e guarda chuvas! Faltou calor humano.... Não tinha ser que fosse humano!

terça-feira, 21 de setembro de 2010

T.P.M.

- O quê?
- O que, o quê?
- O suspiro, por que do suspiro?
- Não suspirei...
- Suspirou sim... E pela terceira vez... Aí!!! Suspirou de novo!
- Ai, Leo, que coisa!Não é nada!
- Nada? Agora me preocupou! Vamos lá, Lu, conta... Que foi?
- Nada, já disse! Só estou meio cansada!
- Tudo bem então, amor.... Não vou mais perguntar...
- Hunhum... (suspiro longo)
- ok!....
- ok!... (suspiro - mais longo)
- Estou cansado e vou dormir... Ta certo?
- Certo!
- Posso apagar a luz?
- Humhun...
- Boa noite!?
(silêncio)
(silêncio)
(suspiro alto e longo)
(tosse irritada)
(silêncio)
- Acho incrível sabia!
- O que é incrível Lucia???
- Homem!
- Homem???
- Não enxergam um palmo na frente do nariz! Você mesmo, casado comigo há longos sete anos e não percebe que estou arrasada!
- Não percebo? Quer me deixar louco? Estou tentando te fazer falar, mas voc... Lúcia.... Espera, que dia é hoje?
- Quarta feira, por quê?
- Não! Do mês...Que dia do mês?
- Vinte e dois...
- Ahn....
- Por quê?
- Nada.... Realmente você tem toda razão, meu amor! Vem aqui, deita juntinho, perdoa minha insensibilidade...Te amo!
- Sempre a mesma coisa... faz besteira depois vem... te amo! Quer saber Leonardo? Tenha uma ótima noite e não me enche!
- Desculpe, minha linda! Durma com Deus!
- Amém!
(silencio profundo)
(suspiro longo e conformado)
(silencio sem respiração)
(sono)
(respiração - sono)

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

"Segue o seco..."

As folhas continuam caindo...
Por cima da primavera
E tudo continua seco
Trincado
Trancado!
Nenhum arco íris,
Ou cantoria de cigarra.
Tão natural:
Beleza!

As folhas continuam caindo...
No meio do mormaço
Rachando a moleira
Cansaço!
Queimando o cerrado
Tão natural:
Tristeza!

As folhas continuam caindo...
Embaixo de um céu de brigadeiro
E ainda assim tem verde
Nos ocos das árvores
Como as teimosas flores de maio
Que sempre nascem em julho
Tão natural:
Natureza!

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Recomeço





Quero derreter!
Pensar em brancura
Enquanto o horizonte
Se deita comigo...
Vou espiar acordada e imóvel
A ultima luz se apagando
E que alívio
Tudo ter que terminar!
Que bom ter a longa noite...
Antes de Outro dia começar!

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Escudo


Apaguem as luzes
Lamparinas e lampiões
Velas e castiçais
Inclusive as estrelas
Exibidas abusadas!
Quero escuridão
Breu profundo
Nem céu
Nem mundo
E que nem a lua se atreva
A aparecer faceira
Melhor que se mingue
Ou se esconda
Num eclipse total!
Que não traga a canção da noite
No escudo- escuro
Sem inspiração
Nada de versos melosos
Ou rima ensaiada
Quero a poesia vaiada
Vou deitar opaca
Quero negro e mais nada

LUZ

Azul
Que me sobe a coxa
Como um sopro quente
Enquanto espio ansiosa
A lua majestosa
Que me invade o quarto
E de tão cheia
Transbordo!

Azul
Que me ilumina
Os pelos do corpo
E desenha em meu dorso
Seu contorno celeste
E de tão clara
Ascendo!

Azul
Que de luz reluz
Me envolvendo
Me induzindo
Tão leve...
Como canção lunar
Flutuo!

IMENSURÁVEL















Quanto eu te amo?
Precisamente....
Se eu tentar acrescentar 2,75 mL
De amor meu em você...
Tenho certeza :
Te veria explodir em 275 milhões de pedacinhos vermelhos!

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Feito Chumbo







Assopro com força
E, em vão, esse vão!
O imenso espaço ocupado
Cheio de vazio
Que não fica oco...
Falta que calça!
Maciça de dor
Saudade que assola
Pesada de suspiros
Petrifico!

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Amor "simplesinho"...

"Cupid draw back your bow
And let your arrow flow"
(Amy Wine House)

Quanto ainda se pode maltratar os pobres corações solitários?
Digo de carteirinha , porque também estou aqui braços e coração estendidos a procura da parte inteira que completará a outra inteirice de mim... E apesar disso me sinto exaurida de forças pelo constante bombardeio da sociedade em cima de nós - as pobres , atormentadas e infelizes almas. As almas dos solteiros!
Todos os recursos são validos no 'resgate' a essas almas: dia dos solteiros, festa dos solteiros, sites de relacionamento, tias casamenteiras, conselhos amorosos, amigos apresentando e novos apresentados, simpatias, "reza braba", histórias bem sucedidas repetidas e proferidas como exemplos a serem seguidos, agencias matrimoniais. Tudo pode no amor e na guerra, ou na guerra pelo amor, e só agora é fato que: "É IMPOSSIVEL SER FELIZ SOZINHO"... E olha que quem disse primeiro foi o Tom!
O negocio é amar... Está em alta! O amor, se tornou um dos negócios mais rentáveis e promissores da atualidade, e com isso o casamento esta de volta, as mulheres voltaram a sonhar com o dia que se vestirão de santa em um branco puro e os homens esperam por aquela que repetirá aos quatro ventos que será para sempre sua...SUA! Agregando nome e tradição familiar! A "industria" do casamento movimenta quantitativos exorbitantes de dinheiro e claro muita paixão. Em Goiânia, atualmente, se gasta cerca de dez à noventa mil reais para realização de uma cerimônia matrimonial, ou melhor, para a realização de um sonho! Porque sem uma festa digna de uma princesa Disney, nenhuma noiva poderá sequer sonhar com os felizes para sempre depois do sonoro e 'bem dito' sim... E é isso que nos empurra a mídia!
Acrescente-se a isso as declarações explicitas de felicidade e de paixão, carros e auto falantes espalhando romance bobo e açucarado, programas de domingo que reúnem casais separados e de sábados que unem os mais desesperados, e ainda tem a reportagem sobre: SANTO CASAMENTEIRO E A ARTE DA SEDUÇÃO ....UFA!!!
Sempre pensei em amor de forma mais suave. Como me ensinou Mario Quintana..."Se me ama, ama baixinho, deixa em paz os passarinhos..."
E é por esse amor ainda espero. O silencioso! O que fala baixinho no canto da orelha como quem compartilha segredos... Espero sentir preguiça ao lado de alguém que possa dividir comigo sambas antigos, deitados enquanto o tempo passa rasteiro, bem fino... Um amor a dois... E só! Amor - Sim-ple-si-nho!

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Pontuação

Sabe qual é o melhor ponto?
o de encontro...
sem nó!
é o que ata
e também desata
é justamente o esbarramento
entre duas retas
várias tortas
e tangentes sem rumo...

O melhor ponto
não pondera
não interroga
não exclama
nem espera
simplesmente não pontua...
Acentua!

O melhor ponto...
é o de encontro!
quase um buraco
negro e redondo
que nos derruba de reticencias
e respira sem vírgula!

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Out???

Depois de várias longas análises ao espelho, e muito apelo do marido e da filha , Maria Helena finalmente tomou sua decisão: Vou comprar roupas novas!
Saiu de casa desanimada, porque afinal nunca foi assim uma mulher de compras...
Sempre se achou bonita, e apesar de ter completado 46 anos se orgulhava de suas curvas e tinha em seu poder incríveis olhos cor de mel, gostava de passar um perfume gostoso, mas realmente não poderia ser classificada uma mulher vaidosa, porque nunca suportou shoppings e realmente não dava a mínima para o tal do mundo “fashion”, do qual tanto ouvia falar nos últimos tempos... Por isso resolveu não arriscar e foi direto para uma loja indicada por uma amiga íntima, que ao contrario de Leninha, como era chamada, vivia sempre muito bem arrumada.
Ao chegar tímida na loja foi prontamente atendida por um rapaz bonito, que usava rimel - não pode deixar de notar- e que apesar de muito solicito falava alguns tons acima do necessário tendo em vista a proximidade que estavam um do outro...
- Bom dia minha flor....
- Bom dia!
- Meu nome é Lico.. E que posso te ajudar ?
- Bem... Liiii... Lico?...(esperou alguns segundos que o vendedor confirmasse com a cabeça) Estou precisando dar uma renovada sabe... Roupas básicas..
- Esta certíssima flor... Hoje em dia menos é mais e não tem nada mais cafona que uma perua “over”... se é que me entende?(risada debochada)
-É... Acho que entendo.. mas não é isso! Quero realmente algo para meu dia a dia... Não é para ser simples sendo chique! É para ser meio simples mesmo... Por exemplo essa blusinha aqui bege... queria prov...
- Ah.... Bela escolha! Mas não é bege querida e Nude, suuuuuuuper in...
- Nude? Certo!... Então traz uma dessa e outro daquele vestidinho... Nuuu... Nude escuro?
- Esse?... Ai, minha flor você é uma graça, esse aqui não é Nude escuro... É Coral... Outra cor que vem com tudo!
- Coral! Ok! Traz os dois em tamanhos "G" por favor.
- Aqui querida... Esses não têm "G"... Mas experimenta o "M" que acho que vai ficar bom... É que quase não nos mandam mais tamanhos grandes.
Mais tarde deitada exausta em sua cama Leninha assiste novela quase em tom depressivo...Sua filha chega em casa animada para ver as compras...
- E ai mãe????Cadê as roupas novas???
- Ai filha... Não achei nada!
- Nada?
- Deve ser porque estou fora de moda, mas o Lico me disse que moda retrô é assim mesmo de repente volta com tudo... O que aconteceu comigo acho que foi o mesmo que aconteceu com o bege e o cor de rosa.. Simplesmente estamos "out"!

quarta-feira, 28 de julho de 2010

E S C A B R I A D A

Dei um tempinho de viver... Coloquei tudo assim em stand by...
Estou dormente!!!
Anestesiada... Xilocaína pura!
Nada mais me incomoda! Nem o que costumava me irritar me abala... a calça que não fecha mais, o transito caótico, um cliente neurótico, o jornal marrom, novela de mau tom, brigas de família, cólicas e dores de barriga... Tudo me passa assim... Nem posso dizer que não esteja feliz!
Parei foi de amar sôfrega de falta de ar... parei de tomar porre! Nunca mais um banho gelado ou um amigo tarado para me assustar! Nenhum suspiro nem espirro escandaloso! Nenhum ventinho maldoso na rua, pra me deixar nua me obrigando a qualquer reação... Simplesmente nada e não!
Pessoas supersticiosas me dizem que é pra não bocejar tanto que pode ser encosto, mas quando dou por mim já estou aqui... de bocona aberta pronta e tonta a espera de um susto, sugando para dentro com força o mundo que tento diariamente ignorar!
Não sei nem mais a musica que quero escutar, por vezes finjo que estou muito ocupada ou que esqueci de ligar o som, que sempre foi meu melhor e escandaloso amigo, outras vezes me pego horas analisando meus CDs sem nenhum estalo, nenhuma vontade de gritar, cantar alto ou chorar emocionada. Procuro sem sucesso a trilha sonora desse pedaço tão oco da minha vida...
Sigo lendo len-ta-men-te o ultimo livro que ganhei... não consigo passar do segundo capítulo, e quando sigo adiante, paro e repito, reflito nessa ultima lembrança de amor... pois depois ela vai pro fatídico inicio... coisas velhas e empoeiradas bem guardadas no fundo de um pequeno baú!VUDÚ!!!!
(título gentilmente oferecido por Iury)

terça-feira, 27 de julho de 2010

Receita

Eu azedo tudo... !
Fico cutucando com o dedo,
beliscando fora de hora,
lambendo as bordas,
queimando a língua,
assoprando onde não deveria,
enchendo de tempero
e cheirando tudo com tão boa intenção
mas não tem jeito..
Eu erro a mão!

Depois coloco a mesa linda!
Cheia de apetite!
Perfumo a casa i-n-t-e-r-i-n-ha,
me sento toda vestida de vermelho carmim
com a boca cheia d'água...
Na primeira garfada a decepção!
Ficou azedo... perdeu o ponto...

Tem mesmo jeito não ...
Sempre erro!
Sem perdão ou reaproveitamento...
ERRO A MÃO!

A receita parece tão clara!
Mas aí ....
o amor amarga ..
A ternura Salga!
O sentimento fica ardido!
Ressentido...
Fico sentindo ele dissolver como pimenta....
Bem no céu da boca!

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Saturno está de volta

Nessa quinta Feira, vinte e dois de Julho de 2010 completo 29 anos de bela vida, digo bela não porque tenha sido somente bela, mas porque olhando para traz e para o espelho, não consigo deixar de pensar em um saldo positivo, talvez por resquício de personalidade otimista e a essa minha velha mania Polianística (que por vergonha tento diariamente repreender).
O fato é que continuo adorando aniversário! Gosto do cheiro da manhã, das mensagens animadas á meia noite, da percepção da quantidade de amigos que acumulei em minha vida, do gosto de bolo confeitado que minhas irmãs sempre me compram, dos lírios que sempre me ofereço nessa data e escolho pelo perfume e enamoramento, dos rostos amigáveis, da festinha surpresa do trabalho, das ligações esperadas e inesperadas, dos votos sinceros de felicidade e amor, dos protocolados e encabulados de saúde e dinheiro e dos votos religiosos, que me oferecem tão gentilmente bênção e proteção Divina... Dos abraços lonnnnngos e tão afetivos... Enfim, gosto da atmosfera!
É certo que o tempo está passando, acumulei experiência e ainda cometo erros antigos, sinto com cada vez mais a intensidade o peso das minhas decisões e indecisões. Temo meus trinta anos, como quem teme uma ducha fria e aos poucos vou tentando molhar meus pés, e minhas extremidades para não gritar na hora do impacto, que inevitavelmente chegará.
Ainda não fiquei rica, não tive uma ideia revolucionária, não entrei para história, não mudei o mundo, não constitui uma família e estou atrás do próximo grande amor, os sonhos foram mudando de forma até de cor com o passar do tempo... Antes eram cor de rosa, passaram por laranja, vermelho sangue e agora me chegam em um tom amarelo denso e avermelhado...quase um por de sol, sei que nunca serão cinzas e isso me acalenta!
Tudo, que me tonteia e desnorteia aos 29, de acordo com a astrologia, parece ter relação direta com o retorno de Saturno para o meu signo. Que vem cobrar, como um fiscal arbitrário e sem compaixão, o que eu fiz com meus anos vividos e o que projetei para os próximos anos.
Como leiga arrisco uma resumidíssima explicação astrológica para o fato: Cada planeta leva um tempo para completar seu ciclo em torno do sol, o nosso planeta leva exatamente um ano para completar seu ciclo de translação, assim no dia do meu aniversário a Terra estará no mesmo lugar do espaço que esteve no dia em que eu nasci. Já Saturno, que indica o setor prático da vida, leva vinte e nove anos para completar o seu ciclo e retornar para minha casa, ou seja, meu signo.
A esse ponto de divagação e sem intenção de cansar, além da conta você que ainda me lê... Devo dizer que vou considerar o famoso Retorno de Saturno como um reset, já que acabo de completar meu primeiro aninho de vida Saturiano e vale o pedido de aniversario... Paciência Saturno, que eu ainda chego lá.

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Lembrança

Hoje, por ontem
Quase que eu morria!
Morria de foto antiga
É que fiquei mergulhada
Com a cabeça estrategicamente enfiada
Em outro tempo
Veio um vento
Me derrubou de nostalgia

Quase que eu morria!
Fiquei bem quieta
Estática
Muda
Sem respiração
E o escuro me percorreu
Andou o corpo todo!
Gelou a nuca
Formigou os lábios
Caí !
De queda vazia
Nessa hora
Nesse dia...
Quase que eu morria!

sábado, 3 de julho de 2010

Queria ser Ursa!

Sonhei que era ursa polar!
E hibernava o inverno todo...
Comia peixe fresco e ia pra minha toca cheia de preguiça...
Ficava quentinha com meu urso lindo e peludo, e enquanto isso lá fora o mundo aflito mau dava conta do recado, frio e gelo pra todo lado, raposas escondidas e focas migrando, tudo por causa do frio Ártico, e eu no meu lugarzinho estático!
Nem me dei conta do aquecimento global, ou derretimento da calota polar, só queria saber do meu lar... caverna escurinha de um silêncio fino, quase agudo, que fazia "uhhhhh" com o passar do vento pelas frestinhas das rochas!
Eu era bem gorda e muito linda, meu quilos davam conta do frio e atraíam meu urso para perto com um certo ar de querência... Quando eu retornava da sonolência ele suave me cheirava o pescoço dizendo com um piscar para não me lenvantar, não era hora... Eu pensava sossegada: que bom que o inverno demora!

Diálogo Sem Sentido

 Mãe e filha assistem televisão depois de um almoço de domingo:
- Filha... Ta dormindo?
- To!
- Ta bom... Só queria perguntar uma coisa...
(... Silencio...)
- Fala mãe... Depois me deixa cochilar antes que a Clara chegue da casa do pai.
- Rinoceronte existe?
- Hein??? É o quê?
- Rinoceronte.. Aquele bicho enorme com chifre no nariz...
- Sei o que é um rinoceronte...
- Então?
- Então o que?
- Ele existe?
- Claro que sim! Não estamos falando nele?(risadinha irônica)
- Não filha responde direito... Ele existe agora? No nosso tempo?Ou está extinto?
- Existe agora! Lá na África... Eu acho...
- Ele parece um dinossauro...
- Hum... É acho que parece com aquele que anda com quatro patas do filme... Agora me deixa voltar a dorm...
- Mas dinossauro não existe de nenhum tipo né?
- Não mãe! Esses foram extintos!
- Todos?
- Sim! Acredito que sim... Tem um tipo de dragão que mora em, algum lugar da Ásia... Acho que na indonésia. Ahhhhhhh... nem sei direito!
- Dragão??? Ih! Ta doida! Dorme filha depois eu pegunto pro seu pai...
- Verdade! É claro que não solta fogo nem encurrala princesa... é um menorzinho!
- Verdade?(visivelmente desconfiada)
- É sim!
- Por que chama dragão então?
- Ah! mãe... Isso eu não sei!
- Nossa! Os dinossauros já existiram, não existem mais, e ficou pra traz um parecido que é o rinoceronte e esse deve morar lá na áfrica onde esses bichos costumam morar mesmo. Além disso tem também uns dragões menorzinhos que não cospem nenhum tipo de fogo, moram em algum lugar da Ásia e inspiraram alguém a escrever sobre princesas e masmorras... Deus meu!
- Mãe, olha o tipo de preocupação da senhora! Que besteira!
- É mesmo filha... besteira... pode dormir agora!
- Não dá... vou descer, a Clara deve estar chegando com o pai.
- Vai sim! Traz ela aqui pra m dar um beijo!
-Ta bom.
Na portaria do prédio Clara aguardava a mãe ansiosa para contar do seu passeio...
- Oi mãe... Foi tão legal! E o papai disse que...
- Que bom filha! Mas antes de subir pra ver a vó, termina de contar aquela história do dragão que existe mesmo... Aquela lá do Discovery...

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Pequeno Deslize














Aqui não!
Se aboleta com outra
Que meu sangue é nordestino
e nem por destino
que vou deixar você se apoderar
assim da minha alma...
Até te emprestei o corpo
mas foi só de deslize
pura reprise!

sábado, 26 de junho de 2010

Passou

Bom era quando me falava da minha pele... Dizia que meu beijo era bem docinho e me fazia carinho enquanto conversávamos horas sobre nosso bem querer! Bom era poder ficar calada ao seu lado enquanto me penteava com pouco cuidado, usando seus dedos tão grandes, meus cabelos por você bagunçados... Mecha por mecha delicadamente desajeitado!
Agora te acho chato! Não sei quando foi que te passei procuração de gestor operacional da minha vida ou controlador de meus passos! Critica minha postura e reclama dos meus métodos, discorda de tudo, mas desde já não te iludo: Não me mudo! Me deixa com meus caminhos que até me divirto com as minhas voltinhas, sozinha ouvindo musica enquanto me guio na cidade...a-von-ta-de! Me deixa perdida que procuro vida em cada beijo, tão sem graça ou sem gosto, que espalho pelos quatro cantos até que um dia, quem sabe : Me encanto! Me deixa aqui com meus erros gramaticais e sejamos radicais quanto essa separação que esse amor não vira mais não!

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Lágrima

















Quando não se consegue chorar
por fora tudo o que se chora
por dentro:
é isso o sofrimento!



(Van Gogh- Tristeza Gabita)

domingo, 20 de junho de 2010

Análise

Luiz se sentia feliz e era um homem realizado, por suas conquistas, seus dois filhos criados e sua carreira consolidada. Mas não se iludia, sabia que o real motivo de sua felicidade era Marta.
Eram casados há 23 anos e ele ainda se sentia completamente apaixonado por ela... Uma vez um amigo disse num tom triunfante de descoberta, esperando o aval dos homens e a simpatia das mulheres:
- Casamento é um vício ! A gente se acostuma com a presença um do outro e pronto! Deu certo!
Na hora Luiz não disse nada mas não podia concordar, porque não era costume o que sentia, sabia disso porque nunca tinha se acostumado ao ouvir a expressão que lhe causava tanto prazer: “_Sabe a Marta do Luiz...”
E ouvir aquilo com tanta naturalidade era para ele uma satisfação! Uma satisfação quase tão grande quanto acordar depois da esposa, que sempre dormia muito porque tinha muita preguiça de manhã. Mas quando ele conseguia acordar mais tarde que Marta era uma maravilha. Podia sentir minutos antes de abrir seus olhos que os olhos dela estavam por cima dele, e sabia que ela sorria um sorriso sereno. Luiz abria os olhos sentindo aquele cheiro fresco, mas deixava o corpo dormindo; Então ele sorria de volta para a mulher, depois os dois ficavam assim se olhando e imóveis, compartilhando o amor que ainda sentiam um pelo outro.
Feliz estava Luiz com Marta e a vida que levavam juntos, quando ele foi surpreendido com a notícia:
- Acho que quero fazer terapia.
Disse Marta em tom meio distraído enquanto passava perfume para sair.
-Como? Perguntou Luiz ainda estarrecido pela notícia...
- É, amor. Terapia! Que tem demais?
Agora dando os ombros e abotoando os brincos. E depois de um riso debochado emendou:
- Olha só como te conheço! Sabia que ia chiar, até falei pra Bia que...
- Aháaaaaaa!
Interrompeu Luiz como se tivesse feito uma descoberta e agora visivelmente irritado.
- Ahá? Como assim Ahá? Que quer dizer ahá?
- Quer dizer que eu sabia que tinha dedo da Beatriz nisso!
- Nisso o quê? Tá maluco? Nisso de fazer terapia? Devo rir, Luiz? Ta parecendo um pai de adolescente que fica procurando um culpado por ter achado uma camisinha na bolsa da filha...Ridículo!
- Ridícula é você: Mãe de família dando ouvidos a Beatriz... A “dona-não-acredito-em-casamento”! Aliás, se não acredita não devia viver atrás de um coitado para casar de novo! Ah... E nem me lembre do episódio da camisinha da Camila, que pra mim aquela história ainda não desceu!
- Sabe, Luiz, tem horas que sua cabeça dura me assusta... Tô atrasada pra trabalhar! Depois a gente fala sobre isso! Disse Marta enquanto se abaixava para um beijo de despedida.
Luiz segurou nos seus braços, nem refugando o beijo nem se deixando beijar, e como uma última tentativa pediu agora com olhar tenro:
-Ô amor.... Faz terapia não! Tá tudo bem! Não está? Para com isso! Tenho medo de te perder!
Marta, murchando os braços e abrandando a postura ríspida, sentou do lado de Luiz na cama e, meio aturdida, perguntou mais para si própria do que para o esposo:
- Luiz, você acha que vai me perder se eu fizer terapia? Sim, está tudo bem conosco, mas a terapia é para mim e não para o casal.Onde quer chegar com isso?
_ Vê bem amor... A Lúcia e o Eugênio.
_ Que tem os dois?
_ Se separaram por causa de terapia!
_ Nada disso! Ele a destratava! Chamava de cachorra! A terapia não teve nada a ver com a separação dos dois!
- Era tara dele!
- Tara? Chamar ela de cachorra?
- Era! Desde os tempos de faculdade. Falava empolgado – to com saudades daquela cachorra!- Era uma graça, a gente morria de rir do Geninho todo apaixonado.
- E ainda falava na frente dos amigos? Não acredito nisso.
- Ele sempre a chamou de cachorra. Passaram quinze anos bem ! Ele tendo uma cachorra e ela gostando de ser uma. Aí vem um terapeuta e diz que ser cachorra é falta de respeito e é errado... Não da para entender as mulheres! Deviam assumir seu lado cachorra com mais orgulho!
- Não é culpa do terapeuta!
- Ok! Talvez não seja culpa integral, mas tem que se fazer terapia para fazer terapia... Não estamos preparados para encarar nossa realidade!
- Tá maluco Luiz!
- Olha a Vidinha e o Valter...
- Ah não! Não defende o Valter ! Ele não gostava de banho! Me diz como é que se fica com uma pessoa que não toma banho?
- Pergunta pra Vidinha, que ficou oito anos com ele, fora uns três ou quatro que passaram juntos namorando. O cara não parou de tomar banho de uma hora para outra, né Marta? Pensa bem!
- Uma hora a pessoa se cansa! É isso! E eles namoraram dois anos, seu exagerado!
- Não sei! O que eu sei é que uma hora vem um terapeuta que nunca acompanhou o casal em suas vidas sujas e felizes e condena a pobre da Vidinha a limpeza e a solidão eterna!
- Você é um bobo!
- Amor, contra os fatos não há argumentação!
- Luiz, me ouve bem: EU TE AMO! Não há ninguém desse mundo que possa me convencer do contrário a não ser você mesmo. Entende isso? Confia em mim?
Depois disso Luiz já sabia que era tarde demais. Não havia mais argumentação! No instante em que Marta derramou tanta doçura por cima da discussão ele não poderia fazer mais nada! Beijou a mulher resignado e a deixou seguir para seu corrido dia, dizendo:
- Certo meu bem! Confio em você! Você decide!
Marta saiu contente e no caminho para o trabalho confirmou com a secretária do Dr. Juscelino a consulta pré-agendada para o dia seguinte pela manhã, antes do trabalho.
De tão ansiosa, Marta acordou muito mais cedo nesse dia, e ela amava acordar mais cedo que o marido. Porque escovava os dentes e se recolocava toda fresca na cama exalando um perfume cítrico, e estrategicamente soprava um sopro suave nos olhos de Luiz para que ele acordasse sorrindo e a olhasse com amor por alguns instantes. Mas naquele dia ele a olhou mais apaixonado do que era o costume e os olhares foram mais intensos e menos duradouros. Esqueceram-se que não era domingo e se entregaram aos beijos !
Segundos depois o despertador de Marta anunciou frenético a consulta. Em um solavanco ela o calou apressada! Pensou decidida enquanto se encaixava de volta nos braços de Luiz, sentindo seu coração:
- Terapia? Hoje é que não!
**Agradecimento especial ao meu novo e adorável corretor- Valdir Rezende

segunda-feira, 14 de junho de 2010

Personagem

De tanto fugir
Do que não quero mais ser
De tanto me esconder
Do inevitável
É que percebi
Não estou mais nos meus planos
Como se uma estranha
Estrelasse todos os meus curtas
Embromasse os meus longas,
Fico a procura do melhor roteiro
Tateando o imperceptível
Procurando falhas
Rastreando sangue
Pedaços de histórias
Pura ficção
Máfia sedutora
Comédia pastelão
E a personagem fica solta
Perambula entre os sonhos
Entre catástrofes
Não faço ideia de quem seja
Aquela menina que fica ali
Zanzando por meus devaneios
Hora sou santa
Hora inocente
Coisa de quem nada sente
Ou tudo mente
Vou fingindo ser
E até vou sendo
Fingida que sou
Fico as margens de tudo
Preconizando um futuro melhor
Menos emocionante

quinta-feira, 10 de junho de 2010

Suave

Te espero suave
como seda
Bossa nova
Brisa mansa
Suspiro longo
Flor fresca
De orvalho
Te espero suave
Com cheiro de lavanda
De cor marfim
Como o gergelin
Estourando ao toque
Espalhando seus grãos
Nas mãos famintas
E tão Sensíveis
De tua beleza
Tão pura
Só suave...
(Agradecimento a Ivan Bueno pela ajuda e apoio constante aos meus escritos e em especial nesse poema)

terça-feira, 1 de junho de 2010

Vida pré datada...

Bicho fêmea, via de regra, tem mania de se estabelecer prazos... como se estabelecêssemos nossa vida em pequenas metas, em frações de tempo e exaustão!
Até os quinze anos vou arranjar meu primeiro namorado, até os dezoito vou perder a virgindade, aos vinte e cinco me formo, ate os vinte e oito me caso, ate os trinta tenho meu primeiro bebê, até aquela festa emagreço cinco quilos, ate o fim do ano vou entrar naquela calça 38! Chegamos ao cúmulo... até meu aniversário meu cabelo vai crescer até a cintura, daqui a um ano meu namorado vai ganhar melhor e me pedir em casamento, daqui a dois anos meu pai vai se aposentar e vou viver melhor com minha consciência.
Passamos a vida nos torturando com prazos e metas muitas vezes inatingíveis, ou pior, estabelecemos prazos que na verdade não dependem em nada de nós para sua concretização!
Não quero mais viver assim, porque sou carrasca muito severa de mim mesma me cobrando a cada prazo perdido ou meta inatingida! Desviando meus olhos do espelho ou repassando vida a limpo, olhando fotos saudosa de tempo ou melhor de ter tempo.
Se pudesse aconselhar essa menina da foto antiga, de olhos redondinhos, que faz pose inocente errando a altura do vestido, e que mal se aguenta em sua posição desconfortavelmente estática! Eu diria:
- Corre Aline...vai brincar! Esquece a pose, desarruma a postura e o rosto congelado! Brinca com o tempo antes que o traiçoeiro te pegue pelas perninhas grossas! E não se cobre tanto! Não seja inquisidora do seu próprio espírito, que um dia ele se cansa e some! Te abandona! Restará o corpo, o cotidiano, alguma sorte e mais nada...
Finalmente despertei! Vida chega à vista, não se divide e nem chega em prazos estabelecidos e pré datados. Enquanto olhava fotos percebi que um monte de coisas deram mesmo errado, ou ao menos saíram do rumo traçado por mim ou por minhas influências, dificil saber até que ponto. Mas é certo também que um monte de coisas que nem estavam programas deram incrível e inesquecivelmente certas, vivi experiências que me fazem hoje uma mulher sem grandes frustrações e imensamente grata por seus vinte e oito anos até agora muito bem vividos e experimentados.
Me aconselhei, olhei os mesmos olhos redondos e me libertei de mim! E que alívio! A calça 38 vai pro lixo, até porque é feia e fora de moda! Estou pensando em cortar mais o cabelo, vou pagar as contas desse mês e as dos próximos meses ficam para os próximos meses, vou viver minhas paixões sem grandes pretensões de amores e meus amores sem grandes pretensões de paixões!
Claro que ainda estou cheia de expectativas e planos gloriosos para minha vida! Ainda vou economizar para aquela viagem dos meus sonhos e pretendo perder meus quilinhos... Almejo e espero o amanhã otimista que continuo sendo, mas quero viver cada tempo em seu tempo e hoje felizmente é dia de hoje!

sábado, 29 de maio de 2010

Vazio

Tudo que escrevo vira lixo!
Vira pó...
Rasgo todos meus versos
Sem dó!
Perdi a mão
Fiquei com medo
Perdi a audácia...
A graça!
Ganhei a mesmice
A caretice
O verso em vão...
A caneta fria na mão!
Rezo para que seja uma fase
Sóbria... Inglória..
E se não for...
Nem pranto nem dor
Só o nada
E um pouco de Cotidiano
sozinha num canto da imensa praça...
Sem farra!...
Pura Farsa!!!

"Depois de você os outros são os otutros..."

Quase te beijei! Nem foi pelos olhos pequenos... Nem pelo arzinho doce que me joga quando ri das minhas besteiras. Bem, talvez até tenha sido um pouco pelos olhinhos ... Mas também tinham as mãos grandes e o seu jeito tão desajeitado e por este sempre caio...
Quase não me segurei e por um segundo de medo não te beijei... Não sei ainda tomar essa decisão, sobre se te beijo ou não... Tudo parece em ordem entre a gente e tenho medo de que esse beijo te atormente!
Por isso queria te pedir... Me oferece a boca com ternura enquanto nosso encanto perdura!
Aquela página que tinha escrito inteira pra você já virei há alguns dias, porque te achei pessoa fria dos meus sentimentos... Mas o fato é que me pego revirando meu caderno e relendo seu verso! Incremento todo dia secreta e dolorosamente sua poesia!


(inspired by shirley romano)

segunda-feira, 24 de maio de 2010

"Se essa rua fosse minha"


'Veja bem meu bem' passei dias ponderando e considerando nós dois, vi que não tem razão de ser 'não tem pé, nem tem cabeça' que nossas diferenças somam de-mais e que 'do fundo do meu coração não volte nunca mais pra mim' ...
Mas me aparece assim 'desarruma a cama e a vida' e 'o seu amor me cura de uma loucura qualquer' esqueço de tudo e fico muda esperando meu beijo... 'let'me try again' e 'in the name of love'.. tudo que toca invoca o que sinto e fico horas me encaixando em cada letra de musica 'so far away' mas 'se você vier pro que der e vier comigo' podíamos tentar... até lá você vai ficar tocando 'repetindo,repetindo,repetindo como num disco riscado'...
Porque o amor não se explica e 'meu coração não sei porque bate feliz quando te vê' e só assim que 'Heaven, I’m in heavenAnd my heart beats so that I can hardly speak' ...

Telefonema

É bom que saiba logo, que aquele dia que me ligou e te atendi apressada, eu não estava nem um pouco interessada!
Estava ali de lado.. coração bem parado e nada para fazer, camisolando o dia todo! Para ser sincera só não tinha o que dizer de pura preguiça e não adianta ficar pensando que foi de timidez ou nervoso, e nem seja presunçoso pensando que tua voz me causou espanto e aveludou minha razão tão despreparada!
Nada disso! Que não sou adolescente e nem sou do tipo que mente, só para não dar na vista ter esperado ansiosa sua ligação! PERTURBAÇÃO!
Não tenho tempo de esperar telefonemas e tenho muitos problemas para ter que discutir com você minha solidão... Que nem de longe me incomoda e inclusive casa muito bem com minha vida ocupada de mulher atarefada!
Por isso querido se quiser até pode me ligar mas saiba que desde agora não vou esperar!

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Espera














só você para me fazer esperar até agora... aguentar essa demora!
comprar vestido novo, pintar unha de vermelho... marcar salão, fazer cabelo e depilação!
tomar banho especial de espuma e sal!... passar óleo no corpo todo! escolher com zelo a roupa íntima, cuidar para que a renda da calcinha seja de bom gosto e que sua cor case bem com a ocasião...preta de poder, vermelha de arder, cor de rosa de paixão e bege nunca e hoje não!!!
só você para me fazer esperar em vão ... só vc para me olhar com essa cara de ' hoje vem mais não'!

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Amor de Intervalo

Ana resolveu agir e tomou a decisão, colocou saia colada e blusa de decote "V" e um fino colar, pingou gotinhas de perfume entre os seios e torceu para Edu cheirar. Saiu apressada de casa e entrou na repartição com baticum no coração pois ia se declarar! Andava tão rápido que nem percebeu o esbarrão de Eurico.
Sentou em sua mesa e cheia dor ligou o computador, afinal era hoje seu grande final! Iria ganhar seu Eduardo o pobre coitado, que ainda não a beijara por ser tão desligado...
Ana refez o texto em sua mente, bateu as unhas nos dentes em sinal de sua inquietação e para se acalmar esfregou as mãos. Tentou até trabalhar mas não conseguia se concentrar, e sorriu encabulada enquanto ensaiava bocas no reflexo da tela .
Percebeu então a demora quando num impulso olhou a hora, ele estava mais atrasado do que o costume, será que ela desperdiçara todo seu perfume? Pensou em perguntar para recepcionista mas temeu dar na vista, pois todos já começavam a notar o novo par, pelos risos altos vindos da copa e pela frequência e urgência que davam ao cafezinho. Em meio ao impasse eis que surge a infeliz da Dona Beatriz que lhe rompeu com sequidão:
- O Edu não vem não!
- Mesmo? Porquê?
- Parece que o avô dele morreu!
E saiu a portadora da má notícia de forma impetuosa como quem não percebe destruir tantos sonhos de amor! Sem pudor Ana balançou a cabeça aturdida... Percalços da vida! Que pena! Pelo avô e por sua roupa ridícula engomada e passada com capricho, que a fizeram sentir como lixo!
Suspirou fundo e de volta ao seu mundo conformou-se com a constatação de que os planos de amor são mesmo em vão! Se perguntou se seria um sinal ou um aviso.... Foi quando notou a singela presença de Eurico que na porta aguardava com doçura o seu regresso ou ruptura e perguntou com um gesto ali mesmo de pé...
-E aí ? Vai café?

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Persistência


(Persistência da Memória - Salvador Dalí)

E ainda tem que viver!
Trabalhar, para ganhar viver
Comer, para encher viver
Beber, para rir viver
Dançar, para despistar viver
Ler, para saber viver
Beijar, para curtir viver
Amar, para sofrer viver
Sobreviver...
E ainda tem que viver!

terça-feira, 11 de maio de 2010

Na Miséria

Quando meu olhar inocente
tropeçou com aquela
vontade ardente
de te dar um beijo...
Me flagrou o desejo!
Eu aqui te pedindo no olhar
e você nem para dispensar
fingir que hoje não era dia
me beijou de boca fria!
Me beijou na maldade
Me invadiu com crueldade!
E agora fico disfarçante
a procura de outro beijo errante
que se esbarre na minha boca
só de febre... de vontade pouca!
Ou de castigo...
Ai!.. amor mendigo!

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Pre(s)tensão


( Pintura de Romero de Brito)
Me aborde!
Me morde!
Não se ocupe tanto de cuidar de mim!
Que sou moça crescida e quero vida!

Não costumo assoprar minhas feridas
dos meus fundos rasgões
e pequenos arranhões
Eu sei bem!

Por isso não me dê a mão
que não estou atrás de nenhum resgate!
Prefiro mesmo que me mate!
Me assalte a alma! Que a cara me cuspa!
Mas não me fale de culpa... ou coisa justa...

Já chega! Do que poderia ter sido...
Chega de intenção boa ou má!
Quero amor, quero vida e quero já!

Que audácia a sua
Me tirar da rua? Me salvar?
Se nem sabe onde está...
Se situa...Me deixe aqui nua que já sei me vestir!

Ache o seu eixo
E é esse nosso desfeixo!
Não mais me queixo da sua boa intenção...
Quer saber?
Muita pretensão!!!

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Hoje SÓ...


Sandro Botticelli, Birth of Venus
Pobre do vento
que hoje
vai ficar rimando com
SOFRIMENTO!
Pobre do vento
que me afaga a pele
de sentimento
agora é só... só...
SO-FRI-MEN-TO!
Pobre do vento
que espalha dor
de puro acalento
não hoje, hoje é só.... só...
S-O-F-R-I-M-E-N-T-O!

sábado, 1 de maio de 2010

Brincadeira de Criança!


A inda me lembro
C omo era mania minha
R iscar seu nome de canetinha
O diando as
S utilezas das letras
T e esperando tão fresca
I nocente de amor
C riança apaixonada
O ntem ensaiada!

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Sozinha

Já era quase sete horas e Laura se perguntava se ainda dava tempo para a sessão de 19:45, tinha se prometido ir ao cinema porque sempre adorou o programa e a muito tempo não o fazia...
Aliás, lembrou que não ia assistir um filme desde o ultimo namoro que deve ter acontecido a mais ou menos uns dois ... não três a quatro .... séculos! Ao menos era o que lhe parecia , já que sua vida andava tão corrida...
É bem verdade que recentemente as coisas resolveram dar um tempo... e nunca mais aconteceu nada, ou se repetia tudo, era difícil distinguir...
Laura decidiu que faria de tudo mas não perderia o cinema! Entrou em casa apressada e resolveu tomar um banho. Deu uma olhada rápida no guarda roupa e num impulso pegou um dos muitos vestidinhos pretos que colecionava... Por um segundo pensou se estaria virando a Monica do Maurício de Sousa? Mas logo deu os ombros e sorriu... não... preto é básico já aquele vermelhinho...muito marcado!...
Entrou no cinema como um vento e com ares de pessoa afobada, contrastando com toda atmosfera trazida pela penumbra da sala tão acolhedora! Sentou e se sentiu alivia por ter conseguido chegar a tempo, resmungou o fato de não ter compro uma pipoquinha e deu uma breve olhada para traz ainda em dúvida de mais uma correriazinha mas resolveu ficar ali mesmo... Respirou profunda e satisfatóriamente tentando entrar no clima do filme que nem era tão importante como fato de estar ali tão idependente, decidida e solitária!
Ao tempo que se sentia uma ótima companhia de si mesma e ainda de olhos fechados do ultimo suspiro, foi interrompida por uma voz forte e apressada...
- Com licença ??? Tem alguém nesse lugar?
Meio alheia ao mundo Laura espichou o pescoço para ver de quem era afinal aquela voz indagadora que tão bruscamente interrompeu seu momento ... Pensou ainda estar de olhos fechados quando se deparou com aquele homem de 2METROS de altura, cor de canela e de perfume cítrico... Babou por cerca de dez segundos, quando denovo foi interrompida...
- Moça???? Me desculpe, mas tem alguém sentado neste lugar? Perguntou, a beldade, agora querendo rir, enquanto apontava para o assento ao lado de Laura onde ela repousava a bolsa... Laura decidiu sair do seu estado de transe e puxou a bolsa num solavanco só dizendo:
- Claro!... Não!... Quero dizer, claro que pode sentar... Sorriu meio amarela enquanto procurava atrás de seu doce desconhecido alguma incoveniente acompanhante, mas por sorte ele também estava só e muito bem desacompanhado!
Enquanto se ajeitava sem graça com os olhares invasivos de Laura, que nunca aprendeu disfarçar, o homem moreno se sentava derramando algumas pipocas...
Laura suspirava irônica e satisfeita por ver que ao menos um defeito ele tinha, o de ser desajeitado... Ai amor você trouxe pipocas... pensou e riu sozinha! Tentou se recompor e lamentou não ter escolhido o outro tubinho preto que lhe deixava mais magra... Foi quando as luzes se apagaram e ela percebeu que afinal o vestido não teria tanta importância...
No decorrer dos traillers Laura quase riu alto quando ouviu de si mesma...
- Êeeeeeeee Laurinha nem quando escolhe ficar... não fica mesmo sozinha! Se ajeitou tendenciosa na poltrona e assistiu o filme todo sentindo cheiro gostoso de acaso!

terça-feira, 27 de abril de 2010

DesVirtualizada

Quero me desconectar... Cansei! É tanta tecnologia que me afastei, to longe... e ninguém mais me toca!
To usando meu face book e é claro que muito mais o book do que o face e me sinto assim meio fake...
To fazendo my space ficar cada vez mais my e não to me sentindo hi.... Então me pergunto why?
Converso no orkut, no msn e no twitter... e passo o dia calada! Me sinto muda quando trava o teclado e fico assim a espera de um sinal melhor ou pelo menos de um sinal...
Minha wi fi anda caindo e o saco e que eu nem tenho um fio para puxar... Meu roteador só pode estar quebrado porque nunca mais captou nada, nem sequer um sinalzinho de carinho!
Tomara... que minha banda seja larga o suficiente para que sustente tanta solidão!
Te espero no msn e não no portão... te mando milhares de beijos virtuais que não são nem de longe iguais aos reais... Servidos a moda antiga com frio na barriga, hálito e respiração...
Nossas conversas estão frias e vazias, perderam a graça... to te achando com cara de Internet discada e fico aqui feito boba te esperando conectar comigo, sem migo, com micro.
Vou te bloquear! Melhor... não vou mais entrar! Tava fazendo um download muito pesado de impessoalidade e antes que eu fique down vou sair e dar um load no meu self confidence que anda meio no sense...

segunda-feira, 26 de abril de 2010

30's

Tento separar as mexas grisalhas dos meus cabelos... mas não consigo!Então suspiro! Tento apertar meus culotes que não sedem as minhas causas ou as minhas calças tão justas...
Puxo as alças do meu soutien para que eles sejam mais flexíveis, endurecendo as minhas dores e levantando meu ego...
Passo base, pó, blush ruge que não me mude só atenue... Essa falta de saúde! Passo rimel bem forte que arqueie meu norte e jogo os cabelos para frente e para trás, tentando tirar sem muita sorte o liso que escorre minha vaidade... da testa até a fresta dos meus sapatos altos!
Ando inquieta na noite... Então faço um verso e converso com minha cama vazia, de alma fria e tão insolente!
Temo as decisões tomadas pois deixarão marcas mais profundas do que as que fiz, cicatriz de queda de criança tatuagens e lembranças. Sinto vida em cada centímetro do meu corpo mas não me permito errar tanto!.... quando erro...Pranto!
Sou dona das minhas vontades, dos meus medos e desejos mas ainda não me decidi! Espero o futuro sensata mas faço planos e sonho acordada! Trabalho dedicada e ensaiada!Repito a vida ...
Me preocupo com salários, impostos e inflação... Pago tudo à vista! E recebo vida à prestação...